Terça, 12 Junho 2018 19:19

CARBAP alerta sobre prejuízos e fechamento de fazendas leiteiras

Produção/AR – Diante da situação que atravessa o setor lácteo a Confederação de Associações Rurais de Buenos Aires e La Pampa (CARBAP), junto com a Sociedade Rural Argentina, a Associação dos Produtores de Leite (APL); a União dos produtores de Leite de Mar e Serras (UPL Mar y Sierras, e a Câmara de produtores de Leite do Oeste Bonaerense (Caprolecoba), manifestam:

A indústria não se sente responsável, olhar para outro lado e não dá respostas.

A Província de Buenos Aires propõe analisar linhas de financiamento através do Banco da Província, mas as taxas são impossíveis de pagar.

A Nação só mostra dados, e não apresenta soluções concretas.

Assim as dificuldades, e o fechamento de fazendas de leite se acentuam dia a dia e a produção continua em queda livre.

Indústria, Supermercados e Governo cobram, mas, só entregam migalhas para os produtores.

A vaca come em dólares e vende leite em pesos: Os insumos aumentaram 40% e o leite apenas 10% durante o ano. A equação mortal para as fazendas de leite, setor que está ferido há anos.

Os produtores de leite manifestam seu descontentamento, desequilíbrio e preocupação depois de terem participado do encontro da Mesa Provincial de Lechería, realizada no dia 6 de junho. Nenhum dos outros elos mostrou intenção imediata de recompor a situação da produção de leite.

Tanto os representantes do governo nacional ou provincial, como os representantes do CIL (em nome das grandes indústrias) e a APYMEL (pequenas e médias indústrias), somente esboçaram algumas linhas de trabalho que serão analisadas sem dar nenhuma resposta concreta para o curto prazo.

Diante deste panorama, nós, os produtores pedimos:

- Preço: Recomposição do preço já! A indústria de laticínios tem atualmente capacidade para pagar mais.

- Prazo:  Redução imediato dos prazos de pagamento.

- Financiamento: Que o governo reveja os prazos para liberar as ferramentas de financiamento que estejam ao alcance dos produtores. Do contrário, o máximo que se consegue é prolongar a quebra do produtor.

- Concorrência: Que a indústria concorra realmente pela compra do leite e que o Estado promova uma verdadeira concorrência.

Hoje os produtores de leite bonaerenses se endividam cada dia mais, colocam em risco muitos postos de trabalho, paralisam os investimentos e começam a suspender, perigosamente, os pagamentos.

Informações adicionais

  • NUMERO SELECTUS: 5426
  • Fonte da Notícia: Agrositio - Tradução Livre: www.terraviva.com.br
  • Data: Terça, 12 Junho 2018
Lido 119 vezes