Terça, 15 Maio 2018 14:24

Conseleite/MS – valores finais de abril de 2018, e projeções para maio de 2018

Preço/MS - A diretoria do Conseleite – Mato Grosso do Sul reunida no dia 14 de maio de 2018, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima, referente ao leite entregue no mês de abril de 2018 e a projeção dos valores de referência para leite a ser entregue no mês de maio de 2018.

 

CONSELEITE – MATO GROSSO DO SUL CONSELHO PARITÁRIO PRODUTORES/INDÚSTRIAS DE LEITE

DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL.

RESOLUÇÃO Nº 05/2018

A diretoria do Conseleite – Mato Grosso do Sul reunida no dia 14 de Maio de 2018, atendendo os dispositivos do seu Estatuto, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima, referente ao leite entregue no mês de Abril de 2018 e a projeção dos valores de referência para leite a ser entregue no mês de Maio de 2018. Os valores divulgados compreendem os preços de referência para o leite padrão levando em conta o volume médio mensal de leite entregue pelo produtor.

 

VALORES DE REFERÊNCIA(*) PARA A MATÉRIA-PRIMA (LEITE)

(*) Os valores de referência da tabela são para a matéria-prima leite “posto propriedade”, o que significa que o frete não deve ser descontado do produtor rural. Nos valores de referência está incluso Funrural de 1,5% a ser descontado do produtor rural (**) O valor de referência para o “Leite Padrão” corresponde ao valor da matéria-prima com 3,00 a 3,5% de gordura, 2,90% a 3,30% de proteína, 200 a 400 mil c/ml de células somáticas e 150.001 a 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana. As tabelas a seguir apresentam escalas de ágios e deságios, para a matéria-prima (leite) com qualidade aferida, considerando os seguintes parâmetros: teor de gordura (%), teor de proteína (%), contagem de célula somática – CCS (mil c/ml) e contagem bacteriana – CBT (mil ufc/ml).

 TABELAS COM ÁGIOS E DESÁGIOS SEGUNDO A QUALIDADE DO LEITE

ENTREGUE PELO PRODUTOR

Obs: Outros parâmetros são considerados pelo mercado para estabelecer o valor final do leite a ser pago ao produtor, tais como: 1. Fidelidade do produtor ao laticínio; 2. Distância da propriedade até o laticínio; 3. Qualidade da estrada de acesso a propriedade rural; 4. Temperatura da entrega do leite; 5. Capacidade dos tanques de resfriamento de leite da propriedade; 6. Tipos de ordenha; 7. Adicionais de mercado devido a oferta e procura pelo leite na região; 8. Sazonalidade da produção; 9. Condições sanitárias do rebanho; 10. Outros benefícios concedidos pelas indústrias;

Estes parâmetros não estão contemplados nestas tabelas:

Para considerarmos as tabelas acima, o leite devem seguir os seguintes aspectos:

1. Leite com acidez até 16°D (na propriedade);

2. Estabilidade no Alizarol 80° G.L.;

3. EST (extrato seco total) mínimo de 12,5%;

Campo Grande, 14 de Maio de 2018.

WILSON IGI

Presidente

EDGAR RODRIGUES PEREIRA

Vice-Presidente

Informações adicionais

  • NUMERO SELECTUS: 5407
  • Fonte da Notícia: Famasul
  • Data: Terça, 15 Maio 2018
Lido 89 vezes