Terça, 13 Março 2018 16:11

Argentina – Leiteria – Decepção com os maus resultados

Produção/AR – Para a Confederação Rural Argentina (CRA), a política macroeconômica terminou levando à ruína, milhares de produtores de leite. Depois da mudança política iniciada na Argentina em dezembro de 2015, foram muitas as expectativas em relação ao setor lácteo, um dos setores produtivos mais atingidos pelos mais diversos motivos, como o clima, os preços baixos e elevados custos.

Para a CRA, depois de dois anos, “o Governo não fez nada para os produtores de leite. Sua política macroeconômica, assim que ele assumiu, deixou o setor em ruínas. Custos majoritariamente em dólares, e leite em pesos foi um combo impossível de superar”.

Já com mais de dois anos de gestão ainda não se vislumbra mudanças na política macroeconômica que corrija o rumo errado. “Foram muitos os produtores de leite que ficaram pelo caminho e com eles fecharam-se postos de trabalho no campo, atividades rurais e escolas ficaram desertas”, disse a CRA, fazendo um balanço desse período. A entidade destaca que não se pode acusar só este Governo pelos desacertos do setor, já que os problemas se acumulam há décadas, negligência e falta de apoio, “confiávamos, no entanto, que uma equipe preparada pudesse reverter a situação com medidas concretas”, afirmou.

As aguardadas mudanças

Procurando consolidar um caminho que ao menos leve a uma recuperação sustentável, a CRA voltou a elaborar propostas que sigam neste sentido.

- Eliminar o regime de retenção IVA e ganhos de um setor que gera quebrantos e saldo positivo.

- Tornar efetivo anúncio efetuado pelo Banco da Nação Argentina que abriu linha de crédito correspondente a três meses de faturamento de leite para capitalizar os produtores. O empréstimo será descontado mensalmente pelas indústrias, por ocasião do pagamento do leite.

- Estabelecer legalmente, a obrigatoriedade das indústrias de laticínios de pagarem seus produtores via transferência bancária até 7 dias depois da entrega do leite.

- Reduzir os encargos trabalhistas, no setor lácteo que usa intensivamente mão-de-obra.

- Reduzir tributos sobre energia, que pode chegar a ser mais de 35% do custo da fatura de eletricidade.

- Exigir que as Províncias cumpram o pacto fiscal que prevê a eliminação do imposto sobre o faturamento bruto.

- Firmar acordos legais com as províncias para que elas façam a manutenção das estradas rurais, de forma a mantê-las em condições de trafegabilidade para entrega da produção.

Informações adicionais

  • NUMERO SELECTUS: 5364
  • Fonte da Notícia: Portalechero – Tradução livre: Terra Viva
  • Data: Terça, 13 Março 2018
Lido 1150 vezes